sábado, 8 de dezembro de 2007

A telecontagem do governo

No Portugal dos nossos dias vigora uma nova espécie de regime político, caracterizado pela ausência de escrúpulos e de respeito pela lei. Como referi no post anterior, este novo al caponismo dita as suas ordens, ignorando o funcionamento tradicional da democracia representativa. E o que é mais assustador é que o Sócrates e seus capangas, bem assentes numa maioria absoluta, fazem dos cidadãos meros instrumentos da sua vontade. As pessoas, os indivíduos, os cidadãos afinal, deixaram de contar.

Acontece que a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) apresentou uma proposta ao governo, segundo a qual será o consumidor a pagar a utilização dos novos contadores de electricidade, que vão ser alterados. Vão ser seis milhões de contadores que vão ser substituídos por uma espécie de aparelhos digitais, que efectuarão aquilo que passaram a designar por telecontagem. Produtos deste admirável mundo novo. Sugiro que leiam esta notícia que publiquei no meu site Contracorrente sobre este tema.

Claro que está errado. A DECO já se opôs a que fossem os consumidores a pagar esta despesa, que devia ser suportada pela EDP. Na nossa vizinha Espanha, o governo deles deu indicações – imagine-se, tão democráticos! - para que esse custo fosse suportado pelos operadores, o que acho lógico. Afinal, são estes que beneficiam com o novo sistema. Ora, para não chocar o cidadão, o Manuel Pinho, o da Economia, disse que “por agora avançamos só com projectos-piloto”. Todos sabemos o que ele quer dizer. É que, na realidade, vão avançar. À custa do cidadão depauperado.

11 comentários:

  1. Passei para ver o blogue e desejar boa semana.
    Jofre Alves
    http://couramagazine.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  2. Mais uma vez, não podemos ficar calados. De forma alguma.

    ResponderEliminar
  3. Não tarde que nos "obriguem" a recorrer à cera para iluminar nossos caminhos ;)
    Um resto de bom fim-de-semana.

    ResponderEliminar
  4. Eu não irei pagar e se todos fizerem o mesmo vão ter que desistir da ideia.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. E eu que pensava que o Governo tem por missão defender os cidadãos e zelar pela melhoria das condições de vida de todos!!!
    Afinal olha apenas pelos interesses dos familiares e amigos do clã e está-se nas tintas para os cidadãos, cada vez mais desprotegidos e explorados.
    Não se metem coma as grande empresas, principalmente com as de dinheiros públicos, porque aí estão reservados os tachos para quando sairem da política activa. É preciso irem fazendo favores de que depois receberão a retribuição!!!
    Abraçop

    ResponderEliminar
  6. E mais, os tipos preparam-se para enviar para o desemprego mais uns milhares, fala-se em 5.000. Depois as "novas" tecnologias é que pagam!!!!!
    Os gajos (digo patrões) da PT já avisaram o pagode, para 2008 vão mais uns quantos (aqui são só???? 3.000!!!!) pró caruncho do desemprego.
    É um fartar vadilagem, é o capital na sua pujança, e são estes sacanas (digo políticos e afins) a governarem-se. ATÉ QUANDO?

    Abraço revolucionário

    ResponderEliminar
  7. Pois então, limitemo-nos a NÃO pagar!

    O problema é que se não pagamos, ficamos sem electricidade... Logo, não há computador para ninguém, nem máquina de lavar, nem frigorífico, etc e tal. Não é que me importasse muito com isso pois por mim ainda vivíamos à luz da tocha, mas que seria um transtorno enorme, seria, sabendo de antemão a vida que levamos.

    É certo e sabido que vamos ser nós a pagar essa nova tecnologia. Mas o engraçado da questão é: normalmente pagamos por tecnologia que nos é útil, tecnologia que damos algum uso, porque precisamos ou por simples gosto, mas isso não se verifica neste caso. Pouco me importa a mim como a luz é contada... desde que não tenha que pagar mais do que aquilo que usufruí.

    ResponderEliminar
  8. Afinal , se o interessádo é a própria empresa.
    Porque razão veem todos lampeiros ver se pega o pagamento pelos consumidores.
    Boas Festas

    ResponderEliminar
  9. Esta seria o máximo se fosse para a frente. Não quero acreditar que tal venha a acontecer.
    Para dizer qualquer coisa desta seita, teria que por aqui ficar umas 4 ou 5 horas.
    EDP, Cabovisão, CTT, Banca, Seguros... nunca mais acabava. Oportunistas, chupistas, desleais e quase sempre (hoje estou bem disposto) a agirem de má-fé.
    Uma cáfila de sanguessugas sempre à espera de apanharem um incauto ao virar da esquina. Para mim, crédito 0!
    Saudações do Marreta.

    ResponderEliminar
  10. Calma! Eles ainda não acabaram de falar! Pagamos os telecontadores mas concerteza que em troca os homens que faziam as leituras ficarão à nossa disposição para os serviços que entendermos além de, os contadores desactivados poderão ser adquiridos por nós a preços irrisórios!
    A culpa não é da EDP, a EDP é uma empresa para dar lucro e por isso até contra a poupança de energia pode fazer campanhas!
    A CULPA É!...
    Um abraço anti-PS

    ResponderEliminar